Obesidade: Quando as emoções pesam na balança

obesidade

Quem nunca experimentou aquelas dietas da moda que prometem perder vários quilos em poucas semanas? Da proteína, da sopa, da lua, do carboidrato etc são muitas as dietas, e todas com o objetivo de fazer a pessoa emagrecer rápido e conquistar o corpo ideal para o verão, entrar naquela calça jeans que foi aposentada há meses… Então acontece que a pessoa perde todos aqueles quilos tão indesejados, sente-se finalmente feliz e realizada, mas passado algum tempo (e nem precisa ser tanto tempo), a pessoa começa a recuperar os quilos que foram embora quase como mágica, as roupas já começam a não caber e voltam para o fundo do armário, o espelho já não é mais o melhor amigo, e a auto-estima vai lá pro chão. E agora? O que fazer? O que deu errado?

Do ponto de vista nutricional, podemos dizer que tudo foi muito errado. O objetivo que era o emagrecimento até foi atingido, mas o caminho para se chegar a ele não foi o correto. Quem consegue manter dietas tão restritivas por tanto tempo? Ninguém! O mais indicado seria uma reeducação alimentar, orientada por um nutricionista para atingir a meta do emagrecimento. Entretanto, não quero e nem posso adentrar no campo dos nutricionistas e falar sobre dietas ou programas alimentares. Sem dúvida o  trabalho desse profissional é muito importante nesse processo; mas e quando apenas ele não é suficiente? E quando identifica-se algo que parece sabotar todo um trabalho seguro e bem planejado? E quando as emoções passam a pesar tanto na balança que não deixam que o ponteiro desça? E aí que entra outro profissional ““ o psicólogo ““ que irá trabalhar as questões emocionais que dificultam a perda de peso do indivíduo.

A psicoterapia ajudará o indivíduo a elaborar melhor a maneira de se relacionar com o alimento e com o que ele representa. São muitas as situações em que se indica o  atendimento psicológico nos casos de obesidade e outros transtornos alimentares. Alguns são os exemplos de como as emoções dificultam o emagrecimento:

1. O alimento como principal fonte de prazer e consolo: quando tudo parece estar dando errado ou ela está passando por problemas de relacionamento (seja no trabalho, em casa ou com amigos) a pessoa diz a seguinte frase: “Hoje eu mereço aquela enorme fatia de torta de chocolate!” Ou seja, a pessoa não consegue sentir prazer naquilo que deseja e procura no alimento o prazer que deverá suprir aquele momento de insatisfação.

2. A obesidade como um grande escudo: dificuldades de relacionamento podem levar o indivíduo a se tornar e permanecer obeso. Inconscientemente, a pessoa se mantém nessa situação para evitar se relacionar com outras pessoas e enfrentar situações que teme. Nesse caso, ela poderá usar a desculpa de estar gorda para não freqüentar reuniões sociais, por exemplo.

3. Como defesa contra a própria “sensualidade”: existem pessoas que temem a própria sensualidade/sexualidade. A aceitação do corpo sexualmente maduro tem a ver com amadurecimento emocional. Entretanto, muitas pessoas enfrentam dificuldades nessa transição do corpo infantil para o corpo adulto. A “capa de gordura” protegerá essa pessoa de sentimentos de insegurança e ansiedade que uma exposição pode gerar.

4. Medo de ser feliz: muitas pessoas, por mais que repitam que querem muito ser felizes, no fundo, sentem muito medo dessa felicidade. Sentem-se não-merecedoras e têm uma baixa auto-estima. Esse medo, inconsciente, pode fazer com que a pessoa se sabote e destrua os objetivos, conscientes, que ela própria se dispôs a alcançar.

5. Engolindo as emoções: quantas pessoas estão acostumadas a se calar e não falarem aquilo que as incomodam ou as afligem? Não conseguem impôr limites ao outro e sempre concedem aquilo que o outro deseja (mesmo que ela mesma não deseje) para se passarem por “boazinhas”.

6. O ambiente familiar: em muitas famílias, o alimento é usado como forma de recompensa ou punição. São muitos os casos que a criança é premiada por uma boa ação com aquela comida predileta, ou então, por exemplo, a criança não tirou uma boa nota na escola, logo não poderá comer aquele lanche que tanto adora. Nesses casos, o alimento é usado como sinônimo de amor/afeto.

Em todos esses casos citados acima, a psicoterapia é o tratamento recomendado. Não será apenas a dieta (programa de reeducação alimentar orientado por um especialista) que ajudará o indivíduo a vencer a obesidade. Faz-se necessário o tratamento psicológico quando a obesidade não é apenas questão orgânica e de maus hábitos alimentares, mas também de origem emocional. No processo psicoterápico, o indivíduo será capaz de analisar e refletir sobre suas questões e dessa forma superar os obstáculos que tanto o atrapalham a atingir seu objetivo. Será um indivíduo mais confiante, seguro e conhecedor de suas próprias capacidades e limitações, e dessa forma, o emagrecimento será conseqüência natural de seu auto-conhecimento e do seu esforço.

Por Danielle Bastos

Psicóloga Clinica ““ CRP 05/34653

Consultório: (21) 2132 7397 ““ (21) 9114 1173

www.hourclinic.com