O que se esconde nas doenças dermatológicas? Com a palavra, a Psicologia

Você certamente já ouviu falar de doenças como psoríase, dermatite atópica, vitiligo, alopecia areata. Elas são doenças que afetam nossa pele. Mas, talvez você não saiba a respeito da importância do acompanhamento psicológico desses pacientes.

Nos dias atuais, é cada vez mais freqüente pessoas que apresentam problemas dermatológicos como esses que exemplificamos acima. São as psicodermatoses. Porém, aqueles que sofrem de tais doenças, na maioria dos casos, buscam apenas o tratamento oferecido pelo especialista médico de dermatologia. No tratamento de psicodermatoses, qual a contribuição da psicologia?

Essa contribuição diz respeito ao próprio desencadeamento dessas doenças, pois, na maioria desses casos, os fatores emocionais são responsáveis pelo aparecimento dessas doenças. Situações de estresse no trabalho, problemas de relacionamento amoroso e familiar são apenas alguns exemplos de fatores que podem ocasionar o surgimento de problemas dermatológicos. Mas, o que leva um problema emocional a desencadear problemas na nossa pele, nos nossos cabelos? Isso acontece porque quando algo falha na nossa vida emocional, nosso corpo reage. Ou seja, a eclosão de uma doença dermatológica pode ser um indício de que algo não vai bem na vida emocional. E isso pode ocorrer em qualquer época da vida a partir de um evento que causa uma instabilidade emocional.

Por isso, após diagnóstico de uma psicodermatose feito pelo dermatologista, é fundamental ter um acompanhamento psicológico, ao lado do tratamento dermatológico. O acompanhamento psicológico pode auxiliar de forma eficaz o tratamento dessas doenças dermatológicas. É ele quem possibilita abrir espaço para investigação das causas da eclosão dessas doenças. Mais do que isso, a ajuda de um profissional de psicologia possibilita que a pessoa encontre uma forma alternativa de lidar com seus problemas emocionais, por uma outra via que não gere mais sofrimento, como nos casos dermatológicos. Vale lembrar que por serem doenças, muitas vezes visíveis com suas marcas na pele, geram dificuldades daquele que sofre com elas. São dificuldades geradas pela própria doença, pois se coloca a questão de como lidar com uma doença dermatológica, especialmente numa época em que se exige uma boa aparência a qualquer custo.

Por Bruna Brito
Psicóloga ““ CRP 05/31343
Mestre em Psicologia (UFRJ)
Consultório: (21) 2132 7397 / Celular: (21) 9967 0593

Para maiores informações sobre as psicodermatoses:
Sociedade Brasileira de Dermatologia:
http://www.sbd.org.br/publico/
Sociedade Brasileira de Dermatologia(Sobre as psicodermatoses):http://www.sbdrj.org.br/dicas_conhecendo_as_psicodermatoses.asp