Lazaro Ramos “Se não fosse ator, seria infeliz”

lazaro-ramos

Em entrevista exclusiva, Lazaro Ramos, fala sobre profissão e todo o inicio do seu trabalho.

Por: Celso Fortes

O que levou a escolher sua profissão?

Em primeiro lugar foi a dificuldade  que eu tinha em me comunicar com o mundo, eu era tímido. E descobri que através do teatro eu poderia falar tudo em que acreditava, mais do que fazer novela, filme, teatro, a minha maior necessidade era falar para o mundo o que eu acreditava. Na época, era falar sobre todas as questões sociais que o país tinha, questões políticas, tentar emocionar as pessoas, fazê-las rirem. Foi isso que me impulsiono. Aí depois fui descobrindo outras coisas.

As maiores dificuldades no início?

Financeira. Principalmente porque a minha profissão não tem estabilidade nenhuma, raros são os casos de alguém q consegue se manter a vida toda como ator, esses são os eleitos. É uma profissão de muitos talentos, então o mercado é muito dificultoso. O resto foi só prazer.

As facilidades?

Foi o prazer de saber que eu estava contribuindo um pouco mais para melhorar a vida das pessoas, de estar me dando esse prazer pq o tempo todo que eu estava no palco eu tinha muito prazer de estar falando da vida de outras pessoas, de estar emprestando meu corpo para falar das emoções e sentimentos de outras pessoas.

As maiores lembranças do início de tudo?

A rotina que eu tinha que não tenho mais, que era boa, onde todo dia eu sabia que no final do dia de 7 as 22hs eu ia estar ensaiando teatro, pensando teatro, estudando vários autores, ia estar encontrando varias pessoas com quem me identificava, e tanto é, que durou 8 anos e até hoje ainda tenho ligação com esse meu grupo de teatro lá da Bahia que se chama teatro Olodum. Mas o melhor prazer que um ator pode ter é esse cotidiano de pesquisar o seu trabalho. Eu tinha muito e hoje pouco.

O que você gostaria de saber na época que agora que sabe?

Acho que aprendi tudo no tempo certo. o que gostaria era de resgatar coisas que eu tinha antigamente e hoje em dia não tenho, as vezes uma inocência maior q tinha antigamente tornava tudo muito mais vibrante. As vezes sinto falta da vibração do início, pq quando você entra na rotina, não tem tempo de aproveitar. Por exemplo agora, to fazendo a novela, mas não da tempo de ir na rua pra ver qual é a reação das pessoas e nem de assistir aos capítulos. É um preço que se paga.

Obstáculo da profissão?

Os valores invertidos. Hoje em dia para você ser ator ou artista, ou para você ser bem sucedido, não necessita exatamente de estudar, eu acredito que é o ideal, estudar a fundo sua profissão as vezes o mercado dito isso, muitas vezes só por você ser bonito você tem uma trajetória de relativo sucesso ( não aquele sucesso q digo e acredito q seja pra sempre de 120 anos) Isso é um grande obstáculo.

O relacionamento entre profissionais como você, existe uma união?

Encontra-se sim! Pessoas que pensam parecido com  você. Claro que como todas as profissões tem pessoas que estão disputando e tal, mas tem uma coisa melhor e que as vezes une que é o resultado do trabalho. E isso no final, independe de qualquer coisa.

Primeiro passo para se tornar um profissional como você?

Estudar, estudar!

Formação acadêmica?

Fiz patologia, cursos avulsos, 1 semestre de bioquímica e depois abandonei e fiquei só no teatro.

Muitos buscam o caminho do descolado de aprender praticando ao invés da formação acadêmica, funciona?

Acho que funciona, tem seu valor. também é possível ser ator através do auto didatismo, mas as vezes quando você tem conhecimento teórico maior numa universidade ou cursos avulsos te trás outros caminhos.

Maior recompensa da profissão?

O estar fazendo.

Senão fosse ator o que você seria?

Infeliz.

Estou começando agora, quero ser ator. O que você me diria?

Se dedique e não considere sua profissão como brincadeira. Tem que levar muito a sério. É uma brincadeira muito séria.

Uma dica de um futuro sucesso?

Arlindo Brás . Ator da Bahia que já é um sucesso. Conheci quando fui fazer um filme em Salvador. Ele é muito pleno e acho que o mundo vai se ligar nele.