Caçulinha – Uma descontraída entrevista com o músico

imagem-207

Ele que nasceu em São Paulo, mas é carioca por opção, trabalha com música há quase 60 anos. Já tocou com Roberto Carlos, Elis Regina, Zeca Pagodinho, e muitos outros astros da música. Mora na Barra da Tijuca e em São Paulo, para as gravações do Domingão do Faustão. Presente desde a primeira edição do programa, já são 20 anos de parceria. Lançou em 2006 seu mais novo cd “Caçulinha na Bossa Nova”, junto á grandes músicos como: Roberto Menescal, João Donato, Marcos Valle, Ricardo Leão entre outros.

Nome:
Rubens Antônio da Silva ou Caçulinha, como é conhecido.

Idade:
68 anos

Profissão:
Músico multiinstrumentista

Há quanto tempo você mora na Barra?
10 anos.

O que o bairro tem de melhor?
A tranqüilidade na praia durante a semana.

O que você mudaria no bairro?
Gostaria de mais restaurantes aqui no Alfa Barra e menos trânsito.

O que falta na Barra?
Nada, ela tem seu jeitinho especial, ela é completa como é, sem faltar nada.

Para você qual é o maior símbolo do bairro?
A beleza das praias.

O que a Barra tem de diferente dos outros bairros?
A Barra é saúde é alegria o tempo todo.

Você acha que os moradores da Barra da Tijuca têm um perfil característico?
Não, todos são iguais. Aqui e em todo o mundo.

Qual a diferença de morar em São Paulo e no Rio?
A diferença é que em São Paulo minha praia são os restaurantes. Ah, tem as turmas também, os grupinhos.

Qual point preferido?
Chopp atrás da igrejinha do Alfa Barra e o Shopping Rio Design.

Qual sua dica para quem mora há pouco tempo aqui na Barra?
Aproveite o calçadão, caminhe, converse com as pessoas pelo caminho.

Qual é a Barra da Tijuca ideal para você?
Essa mesmo, eu gosto muito daqui.

Que lembranças você tem do início da carreira?
São muitas as lembranças, se eu fosse dizer tudo ficaríamos horas aqui. Mais como digo comecei na “TV quando ela ainda era a lenha”. Cantando no programa Clube do Papai Noel, voltado para as crianças. Depois com a minha própria banda, tocamos durante alguns anos na Record.

Uma frase: “Só existe futuro quem tem passado”.